Noticias Brasil

Polícia Federal descobre nova rota de envio de drogas de facções para a Europa

Em meio a investigações de combate ao tráfico internacional de drogas, a Polícia Federal (PF) descobriu uma nova rota das grandes facções criminosas para envio de entorpecentes à Europa.

Antes, o caminho identificado pelos investigadores era do Brasil para a África, sendo a Europa como destino final. Mas a PF identificou que grandes quantidades de drogas passaram a ser enviadas pelo Equador até os países europeus.

Em entrevista à CNN, os delegados Júlio Danilo Souza e Milton Neves, da Coordenação-Geral de Repressão a Drogas, Armas, Crimes contra o Patrimônio e Facções Criminosas, explicam que ‘o continente europeu e a América do Norte são os principais destinos da droga que saem da América do Sul.

“Recentemente a gente percebeu uma mudança de rota na região. O Equador passou a ser um ponto de saída de droga muito forte. E isso traz um aumento da violência ali dentro do país, quando você tem grupos criminosos, sejam colombianos ou mexicanos, disputando espaços com criminosos equatorianos e essa droga saindo para a Europa. Ela sai pelo Oceano Pacífico, passa pelo canal do Panamá e segue para a Europa”, detalha Souza.

O delegado explica que há “rotas ilógicas”, pois muitas vezes os traficantes internacionais mudam esses itinerários para que se dificulte a fiscalização. “Toda vez que você passa a fiscalizar muito uma área você tem uma mudança”, salienta.

“Logicamente seria muito mais fácil enviar droga para a Europa saindo pelos portos brasileiros para a Europa diretamente, só que, para evitar fiscalização, mandam para a África. De lá, passam para outro navio ou deixam armazenado em pequenas embarcações e mandam para a Europa. Então, a gente percebeu essa mudança de rota utilizando portos equatorianos nos últimos dois anos.”

Os investigadores lembram que, neste ano, houve grandes apreensões, de dez e nove toneladas de drogas na Europa, que saíram do Equador. As autoridades europeias também identificaram essa mudança.

Rota do tráfico

Uma das frentes em que a PF trabalha é o tráfico por via marítima, que tem várias vertentes. Segundo a PF, as grandes apreensões por volume de droga são pelo mar, dentro de contêineres ou embarcações. Segundo as investigações, essas grandes quantidades são remetidas para Europa, África ou mesmo Austrália.

“Houve diminuição de apreensões de drogas em contêineres no último ano nos portos do Brasil, mas os traficantes passaram a migrar para outros locais. Houve aumento de droga em caixa-mar, aquela que fica embaixo do barco, ou por veleiros e outros tipos de embarcações.”

O delegado Milton Neves lembra que “a apreensão é o início ou continuidade de uma investigação”. E explica o processo da ação focada em combate às grandes organizações.

“A apreensão pode ser por meio de análise de perfil de passageiro em fiscalização, algo que foge do padrão, seja por scanner ou por investigação em andamento. Apreensão é apenas uma parte. O foco é a desarticulação das grandes organizações, prisões de grandes lideranças. O foco é na descapitalização e desestruturação, e não só pegar ‘mula’ ou quem transporta”, reforça.

Apreensões

Em setembro, a PF e a Marinha apreenderam 3,62 toneladas de cocaína no litoral de Pernambuco. Foi a maior apreensão da droga realizada no mar brasileiro. A ação faz parte da Operação “Ágata Nordeste”, que combate os crimes transfronteiriços e ambientais.

De acordo com a PF, o navio-patrulha abordou a embarcação onde a droga foi encontrada e que tinha como destino a África. Havia cinco tripulantes a bordo, que foram presos em flagrante por tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico.

Em setembro, a PF realizou a maior apreensão de cocaína do ano, em Santa Catarina. Foram encontrados 760 kg da droga ocultos em meio a uma carga de esmalte cerâmico no porto de Navegantes. Estima-se que o valor da droga no Brasil é de cerca de US$ 7,6 milhões.

Em maio, a Polícia Federal deflagrou a operação Novos Rumos, que visou desarticular um grupo criminoso responsável pelo tráfico de cocaína em sua forma mais pura para a Europa, por meio de embarcações.

Na operação, mais de 1.400 kg de cloridrato de cocaína foram recolhidos no estado do Rio de Janeiro durante os atos investigatórios.

Vídeo: Novo caso de mala trocada por drogas no aeroporto de Guarulhos leva líbio-brasileiro à prisão


Source link

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo