Noticias Brasil

Libertação de palestinos lança luz sobre controverso sistema judicial israelense

A libertação de prisioneiros palestinos por Israel, como parte de um acordo com o Hamas para libertar reféns detidos em Gaza, colocou em evidência uma prática controversa que permite que os palestinos sejam detidos por períodos indefinidos sem julgamento ou acusação.

Até quarta-feira (6), Israel libertou 180 palestinos presos ou detidos e o Hamas libertou 81 reféns.

A maioria dos palestinos libertados até agora – 128 dos 180, de acordo com informações publicadas online pelo Ministério da Justiça israelense – foram detidos e não foram acusados, julgados ou tiveram oportunidade de se defender. Alguns dizem que nem sequer foram informados do motivo pelo qual foram detidos.

O Serviço Prisional de Israel disse à CNN que os prisioneiros libertados como parte do acordo “estavam cumprindo pena por crimes graves, como tentativa de homicídio, agressão e lançamento de explosivos”. Mas as informações fornecidas pelas autoridades israelenses revelam que a maioria não foi acusada ou condenada.

Israel tem operado dois sistemas judiciais distintos na Cisjordânia desde que ocupou a área em 1967. Os palestinos que vivem lá estão sob a jurisdição do sistema judicial militar de Israel, onde juízes e procuradores são soldados israelenses uniformizados. Enquanto isso, os judeus que ocuparam a área estão sujeitos a tribunais civis.

Um consultor jurídico do Departamento de Direito Internacional das Forças de Defesa de Israel disse à CNN na quarta-feira que os diferentes sistemas estavam em vigor porque, segundo o direito internacional, Israel não está autorizado a “exportar” o seu próprio sistema jurídico para a Cisjordânia.

O B’Tselem, o Centro de Informação Israelense para os Direitos Humanos nos Territórios Ocupados, uma organização não governamental, afirma que os tribunais “servem como um dos sistemas centrais que mantêm o controle de Israel sobre o povo palestino”.

Fatima Shahin, uma jovem de 33 anos da cidade de Belém, na Cisjordânia, foi um dos 39 palestinos libertados na sexta-feira (8). As autoridades a acusaram de tentativa de homicídio de um israelense na Cisjordânia ocupada, o que ela nega.

No momento da sua libertação, ela diz que não tinha conhecimento de que havia sido elaborada uma acusação formal no seu caso. Shahin disse que, enquanto estava detida, foi negado o acesso a um advogado e impedida de falar com a sua família, enquanto se recuperava dos ferimentos que mudaram a sua vida, sofridos durante a sua detenção.

“Eles me acusaram de esfaqueamento. Não é verdade. Eles abriram fogo contra mim. Fui atingida na coluna por duas balas… estou com paralisia parcial. Não consigo sentir minhas pernas nem me levantar”, disse ela à CNN.

FOTOS: Veja imagens do conflito entre Israel e Hamas

Detenção administrativa

Antes da entrada em vigor da trégua, na semana passada, o Ministério da Justiça israelense publicou online uma lista de 300 prisioneiros e detidos palestinos elegíveis para libertação sob o acordo de troca. O documento listava o crime de que os indivíduos eram acusados e informações sobre se foram condenados ou indiciados.

De acordo com a lista, a maioria não foi acusada ou condenada por nenhum crime.

Em vez disso, de acordo com o documento, alguns foram detidos ou mantidos sob detenção administrativa, um procedimento controverso que permite às autoridades israelenses manter pessoas detidas indefinidamente por motivos de segurança, sem julgamento ou acusação, por vezes com base em provas que não são tornadas públicas. Shahin foi listada no documento como “detida”. O documento não está mais online.

A prática também é utilizada por Israel como medida preventiva: as pessoas são detidas não pelo que fizeram, mas por crimes futuros que alegadamente planejavam cometer. Muitos dos detidos sob essa política não têm ideia da razão pela qual estão presos, porque as provas contra eles são confidenciais.

“Isto deixa os detidos desamparados – enfrentando alegações desconhecidas, sem forma de refutá-las, sem saber quando serão libertados e sem serem acusados, julgados ou condenados”, segundo o B’Tselem.

Segundo a lei israelense, as pessoas podem ser mantidas em detenção administrativa até seis meses, mas o prazo pode ser renovado indefinidamente.

De acordo com dados obtidos do Serviço Prisional de Israel (SPI) pela B’Tselem, dos mais de 1.300 palestinos que estavam detidos administrativamente até setembro, cerca de metade estava detido há mais de seis meses.

O consultor jurídico das FDI disse que a lei de detenção administrativa está em conformidade com os moldes da lei internacional e cumpre a Convenção de Genebra. No entanto, questionado pela CNN sobre as críticas internacionais generalizadas à forma como Israel utiliza a lei de detenção administrativa, o oficial, que falava em termos gerais e não está envolvido na implementação da lei, admitiu ser possível que em alguns casos tenha sido usado de forma “pesada”.

Pessoas se abraçam depois que presos palestinos são libertados como parte de um acordo de troca de reféns-presos entre o Hamas e Israel, em Ramallah, na Cisjordânia ocupada por Israel / Ammar Awad/Reuters (28.nov.23)

Israel tem sido amplamente criticado pelo uso desta política. Quando o proeminente ativista palestino e ex-porta-voz da Jihad Islâmica, Khader Adnan, morreu na prisão israelense após uma greve de fome de 87 dias em maio, especialistas da ONU apelaram a Israel para por fim à prática, chamando-a de “cruel” e “desumana”.

Adnan tornou-se um símbolo da resistência palestina às políticas de detenção israelenses depois de passar um total de oito anos em prisões israelenses, a maior parte sob detenção administrativa. Ele nunca foi condenado.

Apesar das críticas, o número de detidos administrativos em instalações israelenses tem aumentado constantemente.

Em setembro, o número atingiu o seu nível mais elevado em mais de três décadas, ultrapassando o recorde anterior estabelecido no auge da Segunda Intifada, a revolta palestina de 2003, de acordo com dados obtidos pela B’Tselem e pela HaMoked, uma ONG israelense que se concentra na legislação sobre direitos humanos e fornece assistência jurídica gratuita aos palestinos.

Crianças detidas

Os acontecimentos dos últimos dias também colocaram em evidência outra questão pela qual Israel tem sido criticado: a detenção de crianças com 18 anos ou menos. De acordo com B’Tselem, o Serviço Prisional de Israel mantinha 146 menores palestinos no que definiu como motivos de segurança em setembro.

Segundo a lei israelense, crianças a partir dos 12 anos podem ser presas por até seis meses. Os menores são enviados para prisões militares juntamente com os adultos.

A maioria dos libertados até agora através do acordo de troca são adolescentes com idades entre 16 e 18 anos, mas a lista de pessoas elegíveis para libertação em Israel também inclui cinco de 14 anos e sete de 15 anos.

Malak Salman tinha 16 anos quando foi presa em 2016 por uma suposta tentativa de esfaqueamento de um policial israelense em Jerusalém. As autoridades israelenses disseram que ninguém ficou ferido, mas ela foi condenada por tentativa de homicídio e sentenciada a 10 anos na prisão militar. Após recurso, a pena foi reduzida para nove anos.

Salman estava entre os prisioneiros libertados na sexta-feira, depois de cumprir quase oito desses nove anos. Ela finalmente se reuniu com sua família em Jerusalém, mas sua família não teve permissão para comemorar.

“As autoridades israelenses estiveram conosco desde as 14h. Eles cercaram a casa e retiraram as decorações de qualquer celebração. Eles roubaram a alegria da libertação da minha filha”, disse Fatima Salman, mãe de Malak, à CNN.

As autoridades israelenses proibiram as celebrações em torno da libertação dos prisioneiros palestinos depois de o Ministro da Segurança Nacional israelense, Itamar Ben Gvir, ter dito que “as expressões de alegria são um apoio ao terrorismo” e que “as celebrações da vitória dão força a essa mesma escória humana”. Ben Gvir foi anteriormente condenado por incitar o racismo contra os árabes e apoiar uma organização terrorista.

Desde os ataques terroristas mortais de 7 de outubro perpetrados pelo Hamas contra Israel, a polícia israelense tem usado a Lei Antiterrorismo para ampliar a repressão aos palestinos. O Artigo 24 desta legislação estabelece que qualquer pessoa que faça algo para “sentir empatia com um grupo terrorista”, seja “publicando elogios, apoio ou incentivo, agitando uma bandeira, mostrando ou publicando um símbolo” pode ser detido e preso por até três anos.

Após os ataques do Hamas no mês passado, palestinos foram presos após expressarem solidariedade aos civis em Gaza e compartilharem versículos do Alcorão nas redes sociais, entre outros motivos.

A prisioneira palestina libertada Marah Bkeer reage com a família perto de sua casa depois de acordo de troca de prisioneiros por reféns entre o Hamas e Israel, em Jerusalém / 24/11/2023 REUTERS/Latifeh Abdellatif

Respondendo a uma pergunta da CNN sobre o aumento de detenções devido a publicações nas redes sociais, a polícia de Israel disse no mês passado que, embora “defenda firmemente o direito fundamental à liberdade de expressão, é imperativo abordar aqueles que exploram este direito para incitar perigosamente a violência”.

Referindo-se às celebrações das famílias dos detidos libertados, Ben Gvir disse na quinta-feira que “a política aqui é muito, muito, muito clara – não permitir estas expressões de alegria e esforçar-se resolutamente para estabelecer contato e impedir qualquer apoio a estes nazis”.

Tal como o resto dos palestinos detidos por Israel, as crianças são submetidas ao sistema judicial militar israelense, o que significa que os seus direitos são limitados e não estão em conformidade com os padrões internacionais do sistema de justiça juvenil.

De acordo com um relatório da Save the Children no início deste ano, estima-se que entre 500 e 1 mil crianças são mantidas em detenção militar israelense todos os anos. Muitas das crianças são detidas por atirarem pedras, disse o documento, um crime que acarreta uma pena máxima de 20 anos de prisão segundo a lei israelense.

No início deste ano, a organização afirmou que sua pesquisas sobre as crianças palestinas detidas pelos militares israelenses mostrou que 86% relataram terem sido espancadas, 70% disseram que foram ameaçadas de ferimentos e 69% relataram terem sido revistadas nuas durante o interrogatório.

*Com informações de Nima Elbagir, Abeer Salman e Alex Platt, da CNN


Source link

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo