Noticias Brasil

Dino vai se reunir com bancadas do PSD e do MDB mirando votos de 26 senadores

O ministro Flávio Dino vai se reunir nos próximos dias com as bancadas do PSD e do MDB na tentativa de converter senadores indecisos e de ampliar o número de votos favoráveis para garantir a aprovação de seu nome para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Os partidos têm duas das maiores bancadas do Senado. O PSD conta com 15 senadores e o MDB, com 11.

O ministro vai se encontrar com os senadores do PSD na manhã de terça-feira (12).

A reunião com a bancada do MDB ainda não tem data definida.

Os encontros acontecem na reta final para a sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e para a votação no plenário, marcadas para a próxima quarta-feira (13).

Dino foi indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no início da semana passada.

A base do governo no Senado avalia que o ministro já tem pouco mais do que o mínimo de votos necessários — 41 senadores — para ser aprovado.

Os governistas trabalham para ampliar a margem de votos favoráveis a Dino para evitar surpresas, como mudança de posição e traições.

O maior desafio, segundo relatam senadores que atuam na articulação por sua aprovação, é converter o voto de indecisos.

A avaliação é a de que este trabalho tem de ser feito junto a senadores de partidos do centro, como, por exemplo, o MDB.

Os senadores que fazem a interlocução de Dino com seus colegas sugeriram que o ministro procurasse não apenas partidos de centro, mas também parlamentares que representam estados do Norte, Centro-Oeste e Sul e que sejam reduto do bolsonarismo.

A oposição ao governo Lula, resistente à escolha feita pelo presidente, tem se movimentado para rejeitar a indicação do ministro e avalia que a base governista está otimista com a contagem de votos favoráveis e que esses números não refletem a realidade.

Desde a semana passada, quando deu início à peregrinação pelos gabinetes, Dino se reuniu pessoalmente com ao menos nove senadores.

O ministro calcula ter dialogado até agora com mais de 50.

A maior parte das conversas tem sido realizada por telefonema.

Nesta segunda-feira (4), o ministro esteve com Hamilton Mourão (PL-RS) e Margareth Buzetti (PSD-MT).

Esses dois encontros simbolizam o esforço do ministro em tentar romper com a resistência que senadores da oposição têm com relação a seu nome para o STF.

Mourão foi vice-presidente de Jair Bolsonaro (PL) por quatro anos e afirmou que votará para rejeitar a indicação de Lula.

Já a senadora Buzetti declarou ter votado em Bolsonaro nas eleições do ano passado e representa no Senado um estado que deu maioria de votos ao ex-presidente em 2022.

Veja também – Relator dá parecer favorável à aprovação de Dino


Source link

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo