Noticias Brasil

Análise: o que Putin está disposto a dar em troca das armas da Coreia do Norte?

[ad_1]

Enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, faz a sua primeira visita à Coreia do Norte em mais de duas décadas, o seu foco é amplamente visto como sendo garantir o apoio contínuo da nação isolada para a sua guerra opressiva na Ucrânia.

Putin intensificou o seu contato com o líder norte-coreano Kim Jong-un no ano passado, à medida que os seus arsenais de armas diminuíam – e munições e mísseis fluíam do país para a Rússia desde uma cúpula histórica entre os dois líderes em setembro, dizem vários governos, mesmo enquanto Pyongyang e Moscou negam as transferências.

Mas embora a reunião dos líderes na capital globalmente isolada e de estilo soviético de Pyongyang proporcione uma oportunidade para os dois autocratas discutirem como expandir essa cooperação, os observadores dizem que ela terá consequências muito para além do campo de batalha na Ucrânia.

A chegada de Putin a Pyongyang nas primeiras horas desta quarta-feira (19), hora local, para a visita de dois dias marca um passo significativo para uma parceria fundada na hostilidade partilhada para com o Ocidente e os seus aliados – uma parceria que capacita ambos os líderes e aprofunda as divisões globais.

Espera-se que os dois assinem um novo acordo de parceria estratégica, com Putin afirmando antes da visita que eles iriam “moldar a arquitetura de segurança igual e indivisível na Eurásia”, segundo o Kremlin.

“A relação não é apenas uma questão de necessidade”, disse Edward Howell, professor de política na Universidade de Oxford, no Reino Unido, que se concentra na Península Coreana. “Estamos vendo os dois estados forjarem uma frente unida e um alinhamento cada vez mais concertados contra os Estados Unidos e o Ocidente”.

Estas divisões só foram sublinhadas pelo momento da visita, que surge logo após a reunião de Putin com o líder chinês, e aliado próximo, Xi Jinping, no mês passado, e depois de os líderes do Grupo dos Sete (G7) aproveitarem uma cúpula na Itália para mostrarem novamente a sua solidariedade contra a guerra de Moscou.

Também ocorre no momento em que a Coreia do Norte se opõe à crescente cooperação em matéria de segurança entre os EUA e a Coreia do Sul e o Japão, levantando preocupações com a sua retórica crescente e os testes em curso para reforçar um extenso programa de armas ilegais.

Permanece publicamente desconhecido o que Pyongyang está recebendo em troca do seu apoio à guerra da Rússia. Mas os governos, de Seul a Washington, estarão atentos a sinais de até que ponto o beligerante líder russo, que no passado apoiou controles internacionais sobre o programa de armas ilegais da Coreia do Norte, está disposto a ir para apoiar o regime belicoso de Kim.

O que a Rússia e a Coreia do Norte querem uma da outra?

Nos meses que se seguiram a Kim ter percorrido o seu comboio blindado pela região do Extremo Oriente da Rússia para uma reunião histórica com Putin em setembro, as munições norte-coreanas pareciam ter sido derramadas sobre o Kremlin – e disparadas no seu ataque à Ucrânia.

A Rússia recebeu mais 260.000 toneladas métricas de munições ou material relacionado com munições da Coreia do Norte desde setembro, de acordo com um comunicado dos EUA em fevereiro. As forças russas também lançaram pelo menos 10 mísseis fabricados na Coreia do Norte contra a Ucrânia desde setembro, disse também uma autoridade dos EUA em março.

As armas podem ser de qualidade inferior às da Rússia, mas ajudaram a Rússia a reabastecer os seus arsenais cada vez menores e a acompanhar o apoio bélico que a Ucrânia está recebendo do Ocidente, dizem os observadores. O acordo também poderá permitir à Coreia do Norte obter informações reais sobre o funcionamento do seu armamento e ajudá-la a aumentar as exportações de forma mais ampla.

Num artigo publicado nos meios de comunicação estatais da Coreia do Norte antes da visita, Putin agradeceu a Pyongyang por mostrar “apoio inabalável” à guerra da Rússia na Ucrânia e disse que os dois países estavam “prontos para enfrentar a ambição do Ocidente coletivo”.

Putin é amplamente visto como determinado a aproveitar a sua visita, que Kim o convidou a fazer em setembro passado, para garantir apoio contínuo.

Menos se sabe exatamente que compensação Pyongyang recebeu até agora em troca. Autoridades sul-coreanas afirmaram que o Norte recebeu carregamentos de alimentos e outros bens de primeira necessidade da Rússia, e que não faltam necessidades para a economia sujeita a sanções, que, além de alimentos, carece de combustível e de matérias-primas – mas também procura avançar no seu programa espacial, nuclear e de mísseis.

Putin sinalizou a vontade de ajudar a Coreia do Norte no desenvolvimento do seu programa espacial e de satélites durante a sua reunião de setembro, que teve lugar, apropriadamente, numa instalação de lançamento de foguetes.

Desde então, houve sinais de que tal assistência ocorreu, incluindo o lançamento bem-sucedido do primeiro satélite de reconhecimento militar da Coreia do Norte, o “Malligyong-1”, semanas após a visita, após duas tentativas fracassadas.

Esses satélites podem ajudar a Coreia do Norte a melhorar as suas capacidades militares terrestres, permitindo-lhe, por exemplo, atingir com maior precisão as forças oponentes com os seus próprios mísseis.

Os Estados membros das Nações Unidas estão proibidos de ajudar direta ou indiretamente os programas de mísseis da Coreia do Norte, bem como de se envolverem em transferências de armas com Pyongyang.

Mas Kim também considera o acesso ao know-how para uma série de armamentos avançados russos, dizem os especialistas, bem como a tecnologia ligada ao enriquecimento de urânio, projetos de reatores ou propulsão nuclear para submarinos.

O líder norte-coreano vê os seus programas de armas como essenciais para a sobrevivência do seu regime, segundo analistas.

“Kim Jong Un estará interessado em perguntar ao mundo a partir da Rússia. Se ele conseguirá isso ou não, é outra questão”, disse Ankit Panda, membro sênior do programa de política nuclear do grupo de estudos Carnegie Endowment for International Peace, em Washington.

É improvável que Putin esteja “muito ansioso para iniciar necessariamente a cooperação nessas questões (tecnologias relacionadas com a energia nuclear) quando há uma longa lista de tecnologias menos sensíveis das quais os russos podem participar”, como melhorar o radar ou os sistemas de mísseis terra-ar, disse ele.

Quando questionado na semana passada sobre as preocupações ocidentais de que a Rússia esteja a considerar a transferência de tecnologias sensíveis para Pyongyang, um porta-voz do Kremlin disse que o “potencial dos países para o desenvolvimento de relações bilaterais” era “profundo” e “não deveria causar preocupação a ninguém e não pode ser desafiado por qualquer um”.

‘Um mundo trágico’

No entanto, qualquer apoio de Putin – líder de um Estado membro permanente do Conselho de Segurança da ONU – é uma vantagem significativa para Kim, que está profundamente isolado na cena mundial.

Também para Putin, a visita é uma oportunidade para enviar um sinal, ou uma ameaça, de que a Rússia não está sozinha.

“Putin está destacando que a Rússia tem amigos – e está propagando a ideia de que a Ucrânia não tem chance de ganhar a guerra porque a Rússia não ficará sem armas”, disse John Erath, diretor sênior de política do Centro de Controle Não-Proliferação de Armas – uma entidade sem fins lucrativos em Washington.

O líder russo também pode ver a relação com Kim como uma forma de levantar o espectro da guerra nuclear, explorando “as preocupações dos EUA e da Coreia do Sul sobre a Coreia do Norte”, para que “os amigos da Ucrânia a obriguem a procurar uma ‘solução’ negociada para a situação da Rússia”, acrescentou Erath.

Putin expôs suas condições de paz na sexta-feira, antes de uma cúpula internacional de paz apoiada pela Ucrânia no fim de semana, à qual a Rússia não compareceu. Incluíram a retirada das tropas ucranianas de quatro regiões parcialmente ocupadas – uma posição considerada inviável por Kiev e pelos seus aliados.

E na sua carta publicada nos meios de comunicação estatais da Coreia do Norte antes da visita, Putin enquadrou os dois países como ambos enfrentando o que chamou de esforços dos EUA para impor uma “ditadura neocolonialista” no mundo.

Os observadores concordam que é pouco provável que Putin, neste momento, ajude diretamente o programa nuclear da Coreia do Norte, uma vez que nem Putin nem o seu parceiro próximo, Xi, querem ver um confronto nuclear na região.

Mas também se tornou claro que os crescentes laços entre a Coreia do Norte e a Rússia, bem como o abismo cada vez maior entre a Rússia, a China e o Ocidente, têm impacto nos esforços internacionais para controlar o programa de armas da Coreia do Norte.

A Rússia vetou em março uma resolução da ONU para renovar um painel independente de peritos que investigam as violações do país das sanções do Conselho de Segurança. A China absteve-se da votação.

Ambos os países bloquearam nos últimos anos o movimento no conselho relacionado com a Coreia do Norte à medida que se tornaram céticos em relação às sanções apoiadas pelos EUA.

O aprofundamento das divisões hoje contrasta com a colaboração nas últimas décadas entre a Rússia, a China e os EUA, de acordo com o antigo embaixador dos EUA na Rússia e funcionário do Conselho de Segurança Nacional, Michael McFaul.

Ele destacou suas experiências durante a administração do ex-presidente dos EUA, Barack Obama, trabalhando em esforços de não-proliferação relacionados à Coreia do Norte e ao Irã.

“Estávamos cooperando com os russos em ambas as frentes… estávamos nos reunindo, tínhamos os mesmos objetivos… e os chineses estavam conosco em sintonia em ambas as frentes”, disse McFaul em um podcast no mês passado hospedado por o think tank do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Agora vejam onde estamos hoje, completamente pelo contrário… não estamos a cooperar de forma alguma em nenhuma dessas frentes… esse é um mundo totalmente novo e um mundo trágico”.

[ad_2]
Source link

Show More

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button